O inimigo agora é outro… mas é o mesmo
24/10/2010
Além do Oscar
16/12/2010

Esquenta pra Jogos Mortais VII

Hello. I wanna play a game

Tão tradicional quando os “trick or treat”, o lançamento de mais um filme de Jogos Mortais marca novamente o nosso Halloween. Quer dizer, o Halloween de lá de cima, né? Porque aqui no Brasil só se vê isso em escola de idioma. Por mais que as sequências de Jigsaw e companhia já tenham torrado a paciência de muita gente, inclusive eu, foi impossível não me empolgar novamente no trailer do sétimo e, enfim, último filme da saga.

Hello. I wanna play a game

Mais uma vez eles prometem mais sangue, mais reviravoltas e mais violência. O que até certo ponto é verdade, o problema foi fazer o espectador se acostumar com isso. Até lá pelo terceiro filme todo mundo vira a cara e se choca com a carnificina. A partir daí a coisa fica tão absurda que a trama fica trash. E se fica trash, fica engraçada. As risadas nervosas dão lugar às gargalhadas de deboche. Pelo menos no meu caso é assim, no seu não?

A grande sacada de Jogos Mortais não está somente na violência e nas costumeiras polêmicas quanto à classificação das sequências. O que ainda não me fez desistir da galerinha do Tobin Bell é a história, que acabou ficando tão bem amarrada que eu tenho certeza de que o último filme fará falta. Novas vítimas e as dezenas de atores são apenas pano de fundo para algo muito maior: o que leva Jigsaw a ser o que é e a fazer o que faz. Ah, e afinal, por que ele ainda está no filme mesmo depois de morto.

Se você perdeu alguma das sequências ou se, como eu, mal consegue diferenciar um filme do outro, preparei um breve resumão pra ir afiado ver a conclusão da série. (pra quem ainda não viu e pretende ver os anteriores, fuja, esse material contém spoilers)

Saw I: o da perna serrada

Jogos Mortais I: dois caras trancados em um banheiro, um tem que matar o outro pra manter sua família viva. Já tem um cara aparentemente morto no chão, que no final se revela como o próprio Jigsaw. Paralelamente, policiais tentam rastrear o assassino a partir do depoimento da única sobrevivente, que a gente acaba nem prestando muita atenção. Rolam pernas serradas e o Danny Glover interpretando um policial, provavelmente o ator mais ilustre em todos os sete filmes. O mistério permanece, filme meramente introdutório.

Saw II: o da seringa

Jogos Mortais II: mais gente, mais história. Passado o teste do primeiro filme, os produtores resolveram se jogar no que há de mais legal em filmes de terror pra adolescentes: uma morte atrás da outra. Esse é o filme “da casa”, onde várias pessoas devem matar umas às outras para sobreviver. Lembra da vítima que sobreviveu ao primeiro filme? Então, ela está lá de novo, mas só no final do filme a gente descobre o porquê. Novamente, um policial busca o assassino e fracassa. O policial dessa vez é o irmão do Mark Wahlberg, por isso muita gente acha que o conhece de algum lugar. Rola incineração e piscina de seringas. A gente vê que o assassino é mau mesmo! Ah… e parece que ele morre no final do filme, mas era só pegadinha do Mallandro.

Saw III: o do colar maneiro

Jogos Mortais III: A essas alturas do campeonato todo mundo se ligou que a Amanda, que sobreviveu às duas armadilhas, era aspira de Jigsaw. Desta vez um casal é posto à prova: o cara tem que perdoar todo mundo responsável pela morte do filho e absolvição do (ir)responsável pelo atropelamento. Enquanto isso, a esposa tem que fazer uma cirurgia cerebral pra livrar o couro do Jigsaw, que tá quase morrendo. O único porém é que ela tem um colar com cinco cargas de escopeta ligados ao monitor cardíaco do Jigsaw, ou seja, se ele morre, ela morre (na minha opinião, a armadilha mais bacana evah!). Moral da história? Uma galera que ferrou com o filho dos dois morre, a médica morre, a Amanda morre e o Jigsaw morre também. Até você morre, mas é de rir. Acabou a saga, né?

Saw IV: o do cubo de gelo

Jogos Mortais IV: Não! Acabou a saga coisa nenhuma! Adivinha o que eles encontram quando começam a dissecar o Jigsaw? Uma fita! Sim, mais um jogo em andamento. Por isso que eu amo esse filme, o cara morre e ainda ferra com os outros. Enfim, surgem novos personagens e novas reviravoltas. Dois agentes do FBI se tocam que mais alguém deve estar ajudando nos assassinatos. Paralelamente, mais um policial é posto à prova e mais uma galera morre de forma bizarra. No final do jogo, o irmão do Mark Wahlberg (lembram dele?) morre com um super cubo de gelo quebrando na cabeça dele. O mais legal é que o final desse filme se passa ao mesmo tempo do final do anterior. De importante, a gente descobre que o Jigsaw já foi casado e passou a ficar amargurado quando a mulher dele perdeu o bebê e ele foi diagnosticado com câncer. Tá certo que é foda, mas né? Um monte de gente passa por isso e nem assim sai “matando geral”. Ah… ainda tem um policial que sobreviveu a um jogo, que pelo andar da carruagem é quem vai dar continuidade aos assassinatos.

Saw V: o do Luke de Gilmore Girls

Jogos Mortais V: então, no quinto a gente descobre que esse policial “do mal” estava ali o tempo inteiro, mas era segredinho. Foi ele quem arrastou o cara no primeiro filme, armou a casa no segundo e por aí vai… Só que agora a gente tem um policial “do bem” do FBI que tá pra descobrir isso e ferrar com os planos dele. Aliás, o policial do bem é interpretado pelo cara que fazia o Luke em Gilmore Girls, lembra? Enfim, no final das contas, é claro, quem se ferra é o bonzinho. Porque Jogos Mortais é assim amigo, quer final feliz vai ver Disney. Ah, a parte da carnificina fica por conta de uma galera que, aos olhos do Jigsaw, merecem morrer. Rola bomba, choque e mãos decepadas, só pra garantir as risadas.

Saw IV: embarque nesse carrossel

Jogos Mortais VI: o filme mais cheio das reviravoltas até aqui. O jogo dessa vez é com o dono da empresa que negou plano de saúde pro Jigsaw tratar o câncer dele. A maior parte do filme é ele quem tem que escolher quem vive e quem morre (esse é aquele filme que rola uma roleta-russa com o tal “carrossel da morte”). Mas no final, outras pessoas têm a possibilidade de decidir pela vida dele. Adivinha o que acontece? É, ele morre. Na história que interessa mesmo, a gente descobre que existiam uns ciuminhos entre os pupilos do Jigsaw. Mas a coisa fica interessante mesmo quando a ex-mulher dele pega o policial “do mal” e o submete a um jogo. De repente muita coisa começa a fazer sentido, todo mundo acha que vai rolar um “felizes para sempre” quando a Jill diz “game over” pro aspira… mas é óbvio que não acaba por aí! Pra isso, sétimo filme chegando…

O que esperar de Jogos Mortais VII? Mais sangue, armadilhas absurdas, gente nada a ver com a trama que tá nessa só pra morrer mesmo. O mais legal? A Jill e o “puliça” saírem no tapa e todo mundo morrer! Depois que assistir faço a minha avaliação. Let the games begin!