Filmes para ver em agosto de 2018
12 Filmes para ver em agosto de 2018
01/08/2018
Calibre
Calibre | Suspense digno de Hitchcock na Netflix
07/08/2018

10 Furos de roteiro de Mamma Mia 2

Mamma Mia 2

Assim como no primeiro filme, Mamma Mia 2 (ou Mamma Mia! Lá vamos nós de novo) é uma celebração à breguice. Com figurinos exagerados, canções inseridas abruptamente (o que super faz parte da magia dos musicais) e uma história um pouco menos boba que o primeiro, o filme não decepciona em garantir aquela sensação de bem-estar e a vontade de sair cantando ABBA durante o resto da semana.

O primeiro definitivamente está na minha lista de filmes que eu posso assistir a qualquer momento e sem me cansar. Justamente por isso alguns aspectos de Mamma Mia 2 acabaram me decepcionando um pouco. Com direção e roteiro diferentes, desta vez quem assume a cadeira e parte do roteiro é Ol Parker, que fez o ótimo O exótico Hotel Marigold, e que recebe uma mãozinha no script do Richard Curtis, que é o cara que nos fez amar comédias românticas da Inglaterra (incluindo Simplesmente Amor e Quatro casamentos e um funeral).
 


 

Sob nova direção, assim como o hotel do filme, a história ganhou mais camadas que vão além do quase puro besteirol (no bom sentido) do primeiro filme. No entanto, a nova dupla de roteiro pesou a mão na liberdade criativa e acabou traindo a memória do próprio Mamma Mia! Confira abaixo as principais falhas que encontramos:

 

1. A ordem em que Donna conhece os pais de Sophie está errada!

Essa foi a mais fácil de pegar! No primeiro filme, quando Sophie (Amanda Seyfried) lê o diário de Donna (Meryl Streep) para as amigas, a ordem em que ela conhece os caras é exatamente esta: dia 17/07 Sam (Pierce Brosnan), dia 04/08 Bill (Stellan Skasgard) e no dia 11/08 Harry (Colin Firth). Em Mamma Mia 2 esta ordem é invertida, assim como o contexto em que ela conhece alguns deles. Na continuação, Donna (Lily James) conhece Harry (Hugh Skinner) em um hotel em Paris e o deixa para ir à ilha de Kalokairi. Para chegar lá ela consegue uma carona no veleiro de Bill (Josh Dylan), que vai embora para participar de uma regata. Na ilha, em meio a uma tempestade, ela conhece Sam (Jeremy Irvine), com quem passa alguns dias.

Mamma Mia 2 

2. Sem contar que a maioria deles não se parece nada com o que sugeria o primeiro filme

Nem vamos falar da diferença física entre o jovem e o velho Bill porque isso, inclusive, virou motivo de piada no filme. Mas vamos lembrar que Harry foi representado no primeiro filme como super punk, com cabelo espetado e o apelido de “head banger”. Na continuação o máximo que ele herdou foi a jaqueta de couro, mas nada nem próximo a um visual punk. O maior pecado está com o jovem Sam, que divertiu todo mundo no primeiro filme com um Pierce Brosnan cabeludo, bigodudo e extremamente hippie. Na continuação ele anda de moto e se parece com qualquer cara genérico que você encontraria na Europa. Bring back the bigodóns!!!

Bill:

Mamma Mia 2: Bill Mamma Mia 2: Bill

 

Harry:

Harry Mamma Mia Harry Mamma Mia 2

 

Sam:

Sam Mamma Mia Sam Mamma Mia 2

 

3. Quem levava Donna à ilha era Sam, e não Bill

No diário que Sophie lê, Donna escreve que “Sam remou até uma ilha”, no que Sophie prontamente acrescenta que se trata de Kalokairi. Só que na continuação os dois se encontraram somente lá. Quem a levou até a ilha foi Bill em seu veleiro. Até isso não faz muito sentido, já que em Mamma Mia! o diário diz que Bill havia alugado uma lancha para os dois passearem pela ilha. O que faz sentido alguns minutos depois, quando Donna parece chocada com o fato de que Bill possui o próprio barco.

Mamma Mia 2 

4. Donna chegou a levar Harry para conhecer a ilha

Se na continuação Harry desiste de ir à ilha após ver Donna no barco de Bill, no diário Donna chegou a escrever que mostrou a ilha a ele. A parte de que os dois estiveram em Paris bate, já que Harry mostra uma foto dos dois na cidade. Mas pela linha de eventos faria mais sentido que eles tivessem se conhecido na ilha e só depois tivessem ido para a França e não o contrário.

Mamma Mia 2
 


 

5. Não havia controle de passaporte para sair do continente

Lembram quando Sam e Harry chegam atrasados e não conseguem pegar a balsa no primeiro filme? Não tinha guarita nem guardinha algum pra fazer o controle de passaporte. Aliás, eu nunca fui pra Grécia, mas não me parece fazer muito sentido existir um controle de passaporte para uma balsa que só vai para uma ilha do mesmo país (embora existissem embarcações particulares ali, talvez nesses casos fizesse sentido). Outra coisa que ficou furada (embora engraçada) foi quando o oficial de controle comparou Bill e Harry com as suas fotos antigas de passaporte dizendo que o tempo tinha sido bom com um e cruel com o outro. Todo mundo sabe que passaportes precisam ser renovados e que as fotos nos documentos deles não eram as mesmas da juventude, até porque eles já tinham voltado à ilha apenas 5 anos atrás, sendo que o passaporte britânico tem validade de 10 anos e o sueco de 5. Eles não estariam tão diferentes assim.

Mamma Mia 2

 

6. Rosie e Tanya só tinham ouvido falar do Sam no primeiro filme

Quando Donna revê os três no primeiro filme, ela conta a Rosie (Julie Walters) e a Tanya (Christine Baranski) que só tinha mencionado Sam a elas. Na continuação as duas não só ouviram falar de outros como chegaram a conhecer Bill pessoalmente e incentivaram que Donna fosse curar a mágoa de Sam com o loirão sueco (que retornou à ilha, por isso a história fecha).

Mamma Mia 2 

7. Donna menciona a mãe como se ela tivesse morrido

Também no primeiro filme, quando Donna reclama às amigas de todo o trabalho que ela tem com a ilha ela fala “tem alguém lá em cima aprontando pra cima de mim, aposto que é a minha mãe”, dando a clara impressão de que ela estaria morta. No segundo filme isso só não é verdade, como Ruby é referida como aquela pessoa que nunca aparece pra nada. Embora ela pudesse estar metaforicamente morta para Donna, a referência fica bem estranha.

Mamma Mia 2 

8. O hotel foi comprado por Donna com a herança da tia-avó de Bill

Outra coisa que me incomodou aqui: Donna encontra o casarão do hotel abandonado e em ruínas e decide morar lá enquanto está na ilha. A dona do restaurante local onde ela começa a se apresentar diz que a construção é dela e decide doá-la a Donna. Só que no primeiro filme a história não é bem essa. Em determinado momento Bill pergunta a Sophie como ela conseguiu comprar o lugar e Sophie explica: “Ela herdou o dinheiro de uma senhora de quem ela cuidava quando eu era pequena. Sofia, de quem veio o meu nome”. Bill responde que ele tinha uma tia-avó chamada Sofia e que o dinheiro dela tinha ficado para a família, acendendo a luzinha na cabeça dele de que Sophie poderia ser sua filha. Preciso nem dizer que a tia dele nem é mencionada na continuação, né?

Mamma Mia 2 

9. Onde estão as amigas de Sophie?

Este não é bem um furo, mas eu achei um descuido. Assim como a mãe, Sophie tinha duas amigas inseparáveis no primeiro filme. No segundo, mesmo com a importância da reinauguração do hotel, apenas as amigas da mãe aparecem. Tudo bem que as vidas seguem caminhos diferentes e tals, mas pela importância do evento para Sophie era de se esperar que ela pelo menos justificasse a abstenção das amigas ao evento.

Mamma Mia 2 

10. As datas do filme não fecham

Vamos lá: quando começam os flashbacks com a jovem Donna o filme nos conta que o ano é 1979, o que nos leva a crer que Sophie nasceu em 1980. Como no primeiro filme ela tem 20 anos, o filme se passaria em 2000. No segundo, passaram-se apenas 5 (tem uma hora em que Sophie diz “há 25 anos”), ou seja, a idade dela na continuação. Consequentemente, o ano do segundo filme seria 2005, certo? Tudo bem até aqui. Só me respondam uma coisa: como Sophie e Sky tinham iPhones em 2005 se o primeiro modelo (que claramente não é o do filme) só foi lançado em 2007? Se concebermos o fato de que o primeiro filme se passa efetivamente em 2008 e o segundo, portanto em 2013, os eventos da juventude de Donna teriam ocorrido em 1987, oito anos após o que sugere Mamma Mia 2.

Mamma Mia 2 

Mas afinal Mamma Mia 2 é bom?

Confesso que todas estas falhas torceram sim o meu nariz ao assistir a continuação. Não parecia apenas uma continuação, mas um pouco de reboot da história, ainda que com os mesmos atores. A primeira parte é um tanto pesada pra quem gosta justamente do clima leve do filme, mas os momentos bons são TÃO BONS que você até acaba esquecendo aquela nuvem negra do início. Nada que um monte de barcos ao som de “Dancing Queen” não resolvam, além da emocionante estreia de “Fernando”, que finalmente ganhou uma utilidade na história.

Lily James se mantém fiel à Donna criada por Meryl Streep, mas ainda assim conseguiu imprimir a sua marca à personagem. Ela realmente parecia Donna e não um mero plágio mais jovem de Streep. O filme cresce mesmo quando Harry e Bill voltam à cena, trazendo os alívios cômicos que mais nos encantaram no primeiro filme. Os atores são os que mais parecem se divertir em cena, pra nossa alegria.

O repertório repete um pouco as canções do primeiro filme, dando a impressão de que ABBA era só aquilo ali, o que sabemos não ser verdade pelas ótimas inserções de “Knowing me, knowing you” e, claro, de “Fernando”.

Mamma Mia 2

[os próximos parágrafos contêm spoilers]

A forma que a mãe de Donna é pré-anunciada é sensacional e vai deixar a sua surpresa ainda mais grata se você não souber quem é. Afirmações como “ninguém a vê fora de Las Vegas há anos” se tornam divertidíssimas quando você sabe quem é a pessoa em questão. Como você está lendo o parágrafo com spoiler mesmo assim, espero que você já saiba que se trata da Cher, que aparece só no finalzinho do jeito mais Cher possível e ajuda a criar contexto para “Fernando”. O curioso aqui é que Cher, apesar de interpretar a mãe de Streep, é apenas 3 anos mais velha que a atriz. Além disso, pelas datas dadas pelo filme pode-se assumir que Fernando Cienfuegos (Andy Garcia) seria o pai de Donna, apesar de Andy Garcia ser 7 anos mais jovem que Streep.

Aliás, se você está se perguntando se Meryl aparece ou não na história a resposta é sim! Bem no finalzinho, no batismo do filho de Sophie (dá-lhe spoiler!) pra cantar uma música e fazer todo mundo chorar, dando um final um pouco mais agridoce do que o primeiro.

[fim dos spoilers]

 

Juntando tudo, temos um filme um pouco mais ambicioso narrativamente do que o primeiro. Os furos de roteiro de Mamma Mia 2 acabam um pouco com a experiência dos que são mais fãs ou que se lembram melhor da história, mas ainda é capaz de criar momentos emocionantes que compensam os momentos de melancolia.

 

Nota:
 

 

O primeiro Mamma Mia está disponível no catálogo da Netflix. Veja as nossas recomendações de comédias para assistir lá.

Imagens: © Universal Pictures


Compartilhe: