A qualquer custo: western esforçado, mas previsível

    A qualquer custo Chris Pine Ben Foster


     

    A qualquer custo

    Nem todos os filmes na corrida pelo Oscar são produções mirabolantes, com histórias profundas, longas tomadas e direção de arte carregada. Alguns são apenas produções que conseguem te manter entretido durante toda a duração do filme, com atuações dignas e resultado quase ileso de falhas. Esse é o caso de A qualquer custo.

    Desde o início você fica ligado nos assaltos a bancos, para daí descobrir que os assaltantes são irmãos, acompanhar a dinâmica de gato e rato de polícia e bandido e, só então, entender as verdadeiras motivações dos crimes. É um western moderno quase na pegada de Onde os fracos não tem vez, mas com menos brilho.

    Por falar em brilho, a escolha da fotografia chapada, clara e meio amarelada tem a sua função: somada ao fato de que a maioria das tomadas são feitas na altura do olho, com poucos recursos de grua, dá a ideia de que você está dentro do filme, sentindo aquele calor infernal das regiões áridas do Texas.

    Jeff Bridges a qualquer custo

    Mas voltando à história, a trama não tem nada de mais a não ser por levantar a questão de “quem seriam os verdadeiros bandidos da história”, mas sem advogar por nenhum dos lados explicitamente. De modo geral, o roteiro segue uma fórmula bem padrão, que a gente meio que sabe como vai se desenvolver. Há sempre o elemento surpresa de um dos irmãos, Tanner (Bem Foster), que dá até um ar cômico para o filme. Fora isso, é tudo bem previsível e o final não conclui. Não há um lado vencedor.
     


     

    Uma das coisas mais legais aqui é a atuação do sempre cativante Jeff Bridges, que interpreta um policial quase aposentado que é cheio de comentários controversos, mas com carisma. Lembra até aquele tiozão que a gente só vê no Natal, mas aqui funciona porque é o que a gente espera do estereótipo norte americano sulista e provável eleitor do Trump. E né? Jeff Bridges consegue fazer até isso dar certo. A atuação do Chris Pine como um dos irmãos bandidos está bem esforçada, a gente até esquece que é ele. Não o suficiente para render indicação ao Oscar, mas já dá pra levar o ator um pouco mais a sério. O legal aqui é a dicotomia dos dois personagens: o policial que está do lado da lei, mas que tem opiniões questionáveis e faz comentários condenáveis, e o bandido que em essência é bom e atende a uma causa que pode ser considerada nobre. Ninguém é apenas bom ou apenas mau e esse é um dos principais trunfos da produção.

    A qualquer custo está indicado em quatro categorias: Melhor Filme, Melhor ator coadjuvante (Jeff Bridges), Melhor roteiro original e Melhor edição. Apesar de ter alguma chance com Jeff Bridges, ainda acho que sai de mãos abanando do Oscar. Não é uma produção que me marcou, mas ainda se trata de bom entretenimento, com personagens humanos, ritmo bacana e pouco acima da média de Hollywood.

    A qualquer custo Chris Pine Ben Foster

    Nota:

    Trailer de A qualquer custo

    https://www.youtube.com/watch?v=w6J5jvtFvbY

    Veja também: Críticas dos indicados a Melhor filme no Oscar 2017



    Compartilhe: