Gênio Diabólico | Tão bizarro que até parece ficção

    Gênio diabólico

     

    Sabe quando você vê uma notícia tão bizarra que pensa “isso daria um ótimo filme”? É mais ou menos assim a pegada de Gênio Diabólico, minissérie de quatro episódios produzida pela Netflix. Ao ler a sinopse no próximo parágrafo mantenha em mente que se trata de um documentário. Ou seja, é tudo real.

    O primeiro episódio narra um acontecimento tão infeliz quanto bizarro: um entregador de pizza, Brian Wells, assalta um banco, é prontamente parado pela polícia, mas a coisa foge ao controle das autoridades quando ele diz que tem uma bomba presa em volta do seu pescoço e que tem pouco tempo antes de ela ser detonada. Parece até plot de filme de ação com o Bruce Willis, mas tudo isso aconteceu em 2003 numa cidadezinha dos Estados Unidos. E é apenas o começo.

    Não é spoiler, porque acontece nos primeiros minutos: a política se afasta, o esquadrão antibomba não chega porque fica preso no trânsito (e nem é Brasil) e a bomba é detonada ali, na frente de todo mundo. Ah, claro que não tinha uma ambulância por perto e Wells morre.

    O caso se desenrola para algo ainda mais bizarro quando a polícia encontra cartas enigmáticas com instruções sobre a bomba, o assalto e mais orientações de como Wells deveria proceder. Era uma espécie de caça ao tesouro doentia ao custo da vida do entregador, deixando ainda mais confusa qual seria a participação dele nesta história.

     


     

    Ainda no primeiro episódio, o narrador começa a falar de uma mulher chamada Marjorie Diehl-Armstrong, que quando jovem era muito bonita e inteligente, mas também possuía histórico instável e um alto poder de manipulação. Sem fazer a relação direta entre as duas histórias, o documentário mostra como um cadáver encontrado em uma geladeira trouxe à tona as investigações sobre o entregador de pizza e a bomba.

    O mistério sobre este caso bizarro e o surgimento de novos personagens nesta trama macabra são altamente engajantes: o espectador fica tão intrigado quanto a polícia local e o FBI, que tiveram um complicado quebra-cabeça para montar. Vale destacar o trabalho investigativo do diretor Trey Borzillieri, que foi além das informações oficiais sobre o caso e revela alguns fatos que nem a polícia conseguiu cavar. Vale destacar que ele trabalhou nessa história por 15 anos.

    Gênio diabólico

    As descobertas sobre o caso de Brian Wells conseguem ser ainda mais bizarras do que o episódio em si. São tantas as perguntas que Gênio Diabólico levanta que eu cheguei a pensar que o documentário não conseguiria responder a todas elas. O envolvimento de Borzillieri com o caso também chega a dar a impressão de que ele tomará algum tipo de partido na investigação, mas tenha fé que o desfecho não decepciona.

    Se você gosta de filmes e séries sobre investigação policial que envolvam psicopatas, Gênio Diabólico é uma pedida interessante, que vai te manter preso à história e não exige muito envolvimento (afinal, são só quatro episódios). Mas esteja preparado para conhecer as camadas mais obscuras da personalidade humana, que deixariam qualquer vilão da ficção no chinelo.

    Nota:

    Trailer de Gênio Diabólico

    Imagens: Netflix

    Veja também: Documentários para assistir na Netflix
     

     

    Compartilhe: