História de um casamento | Por que a crítica ama este filme da Netflix

    História de um casamento

    Discretamente, em meio aos outros lançamentos do período, História de um Casamento vem chamando a atenção do público pela ótima avaliação da crítica desde o Festival de Veneza e a conquista do Robert Altman Award no Spirit Awards, que reconhece produções independentes. O filme já desponta como possibilidade na corrida do Oscar e o melhor de tudo: está disponível na Netflix.

    Escrito e dirigido por Noah Baumbach (Os MeyerowitzFrances Ha), História de um Casamento é um retrato sensível, cru e muitas vezes cruel do término de um casamento. Tudo começa de forma bem fofa, com narrações dos protagonistas explicando o que tanto amam no seu par. É possível ver recortes da vida em família deles e ambos nos convencem como casal.

    História de um casamento

    Só que aquilo que pareciam ser declarações repletas de amor logo são interrompidas pelo baque da separação. O filme não se demora em conduzir o espectador a este desfecho: ele é na verdade o início de tudo. O que se assiste a seguir é o colapso de um relacionamento que nunca deixou de estar cheio de amor, mas que tinha seus motivos para não continuar.

    Nicole (Scarlett Johansson) e Charlie (Adam Driver) são um casal relativamente novo e admirado por amigos e colegas. Eles têm um filho de 8 anos e trabalham juntos: Charlie é diretor de teatro em Nova York e Nicole é atriz na mesma companhia. Afinal, o que poderia acabar com uma relação tão sólida?

    Scarlett Johansson e Adam Driver

    Durante a separação Nicole se muda de volta para Los Angeles, onde ela filmaria um piloto para uma série de TV, levando o filho Henry consigo. Em um monólogo poderoso de desabafo a sua nova advogada Nora (Laura Dern), conhecemos a verdade não tão perfeita da dinâmica do relacionamento dos dois. Apesar da personagem dizer que “é difícil colocar em palavras”, ela verbaliza meticulosamente todo o seu sentimento de se ver eclipsada pelo marido, algo com o qual muitas pessoas (principalmente mulheres) irão se identificar. É um argumento justo e nos coloca no time de Nicole.

    Mas a beleza do roteiro de Baumbach é que, conforme a separação evolui para divórcio e temos a presença de advogados, a coisa começa a ficar mais confusa e pesada. O espectador se sente o próprio juiz da situação, tentando entender quem ali tem razão após cada revelação, apenas para chegar à triste conclusão de que provavelmente não há apenas um culpado. O que existem são pessoas imperfeitas que conduzem uma situação até um ponto em que não há mais volta.

    Scarlett Johansson em História de um casamento

    É absolutamente satisfatório ver estes personagens serem “descascados” pelo roteiro e pelas excelentes atuações de Scarlett Johansson e Adam Driver. O que começou como uma separação amigável evolui para uma disputa baixa “pelo bem do filho deles”. Como na maioria dos casos de divórcio a gente sabe que não é bem isso o que está em jogo. Os advogados sabem disso e jogam ao seu favor. Em determinado momento Charlie pergunta ao seu advogado se ele está pagando pela piada. E é bem essa a mensagem do filme.

    História de um Casamento se apoia bastante em um roteiro que gosta de verbalizar verdades duras demais até para quem está assistindo. Isso é algo positivo, já que todo o processo de divórcio é encarado como uma espécie de exorcismo de tudo aquilo que havia sido calado até aqui. Como o próprio filme define, o advogados de divórcio veem o pior de pessoas boas.

    Alan Alda em História de um casamento

    Apesar de Noah Baumbach ter se baseado no seu próprio processo de divórcio, ele não se preocupa em tomar partido por qualquer um dos lados. Há quem diga que o roteiro favorece Driver, mas a performance de Scarlett Johansson é o que realmente se sobressai. A experiência pessoal do diretor mais ajuda a deixar toda a situação mais realista do que a tentar absolver o lado do homem na história.

    Aliás, Baumbach é tão minucioso com o roteiro que cada detalhe deve ser observado com atenção, porque ele será importante lá na frente. Estes detalhezinhos são justamente o que deixam a experiência tão assustadoramente real pra qualquer pessoa que já presenciou ou vivenciou uma discussão de casal.

    Adam Driver em História de um casamento

    Além do roteiro de História de um Casamento

    O roteiro se beneficia em primeiro lugar da valorização que o diretor dá à história que ele está contando. Há tempo para diálogos, para silêncios constrangedores e até para algum tipo de humor, que ajuda a aliviar até as situações mais acaloradas. O distanciamento das partes envolvidas é retratado pelos elementos em cena, com um casal que não senta mais à mesma mesa e nem consegue sentar junto no metrô. Eles se mantêm tão distantes quanto o enquadramento permite.

    Tudo isso é ajudado pela excelente presença de palco dos protagonistas. A linguagem corporal e a atenção às expressões dizem muito sobre tudo o que eles estão sentindo e pensando – mesmo que nem eles compreendam. Méritos também para o excelente elenco de apoio composto por Laura Dern, Alan Alda e Ray Liotta. Se você é fã da Renata de Big Little Lies provavelmente irá se divertir com o trabalho de Dern como a inabalável Nora Fanshaw.

    Laura Dern e Scarlett Johansson

    Voltando ao trabalho de direção, Baumbach utiliza a câmera com muita sabedoria e sabe o momento de esticar uma tomada. Seja em um monólogo deprimido ou em uma acalorada discussão, ele valoriza cada um destes momentos para entregar o melhor (ou pior) de seus personagens.

    A trilha sonora de Randy Newman ajuda a manter o tom cativante o suficiente, lembrando que ainda estamos falando de pessoas que se amam, apesar das circunstâncias. Fica um pouco excessivo, quase manipulativo no final, mas nada que estrague a experiência.

    Com um roteiro honesto e uma entrega total de seus protagonistas, História de um Casamento prova que é possível fazer bom cinema de forma simples e despretensiosa. Com sensibilidade e franqueza, Noah Baumbach entrega um de seus trabalhos mais pessoais e que, ao mesmo tempo, gera identificação com uma multidão. Já entrou para a lista das melhores produções de 2019.

    Nota:

    Imagens: Netflix

     


     

    Compartilhe: