Durante a tormenta | Suspense que segura o público mas não surpreende

Durante a tormenta

 

Se você é fã de filmes que envolvam suspense e viagens no tempo, Durante a tormenta tem que estar na sua lista para assistir na Netflix. O drama espanhol tem elementos intrigantes o suficiente para te prender pelas mais de 2h de duração, mesmo que com um plot twist meio previsível.

A história começa em 1989 com a queda do muro de Berlim. Durante uma tempestade elétrica, um menino chamado Nico (Julio Bohigas-Couto) testemunha seu vizinho assassinando a esposa. Na pressa de escapar da cena do crime ele acaba sendo atropelado e morre. Um pouco antes de ter sido atraído pelo barulho da casa do vizinho ele estava gravando fitas em seu quarto.

Durante a tormenta

Vinte e cinco anos depois um jovem casal e sua filha se mudam para a casa em que Nico morava. Vera (Adriana Ugarte) é uma enfermeira e seu marido Álvaro (David Ortiz) é um homem de negócios que parece ter algo a esconder. Durante a mudança eles encontram o televisor, as fitas e a câmera de Nico.

Ao comentarem isso com seu vizinho, eles ficam sabendo do trágico fim de Nico, de como o vizinho Ángel (Javier Gutierrez) foi preso e se matou na cadeia pouco tempo depois. Coincidentemente, uma nova tempestade elétrica se inicia na região, o que, por um passo de mágica, permite que Vera não apenas veja Nico na TV, mas se comunique com ele. Ao fazer isso, ela evita que o menino seja atropelado, mas quem conhece as leis de viagens no tempo sabe que tipo de consequência isso pode desencadear.

 


 

Histórias que envolvam viagens no tempo podem seguir duas hipóteses principais: efeito borboleta (em filmes como o próprio Efeito Borboleta e De volta para o futuro) ou a impossibilidade de mudar o passado (como em Te amarei para sempre). Durante a tormenta opta pelo primeiro caminho, com uma Vera acordando com sua vida completamente diferente pelo simples fato de Nico não ter sido atropelado.

Nesta nova realidade Vera é uma neurocirurgiã respeitada, mas não se casou com Álvaro e não tem sua filha, embora todas as suas lembranças sejam da vida que ela tinha na outra realidade. Para voltar à vida que ela tinha antes ela precisa encontrar Nico e resolver o mistério de como conseguir sua família de volta.

Durante a tormenta

A premissa para esta comunicação entre passado e presente é a mais simples possível: a tempestade abriu uma brecha no espaço-tempo, interferindo no funcionamento de equipamentos eletrônicos. Pode parecer fraco, mas né? Não é como se um Delorean voador fosse muito mais convincente.

Fora isso, o diretor Oriol Paulo (que também fez Um contratempo) executa um bom trabalho, intercalando os eventos do presente de 1989. Ele consegue prender o espectador no drama de Vera, embora algumas decisões da personagem possam ser questionadas. Uma pena que o plot twist pretendido pelo diretor-roteirista não tenha funcionado por culpa da própria direção, que deixou fácil demais pro espectador resolver o mistério.

Durante a tormenta

Outra coisa que também ficou um pouco pelo caminho foi a construção de diálogos, que verbalizavam muitas coisas de forma um tanto artificial. Há também uma repetição de clichês não só pela viagem do tempo em si, mas quanto à conduta e escolhas dos personagens.

Embora não tenha a mesma sagacidade tantas camadas como em Um contratempo, Durante a tormenta ainda é um bom entretenimento para quem gosta de mistérios e viagem no tempo, sem se importar muito com as convenções de gênero.

Nota de Durante a tormenta:

Imagens: Netflix


Compartilhe: