Filmes que você deveria assistir em março de 2018
9 Filmes que você deveria assistir em março de 2018
01/03/2018
Filmes de super-herói
Afinal, filmes de super-herói estão acabando com o cinema?
07/03/2018

Resumão Oscar 2018 – Melhores e piores momentos


 

Encerrando a grande temporada de premiações, o Oscar nos prendeu por umas 6h na frente da TV pra ver algumas piadas, confirmar ou errar algumas apostas e presenciar alguns bons e maus momentos da maior premiação de todos os tempos. Mas calma, se você não conseguiu aguentar até a 1h30 da madrugada, foi prejudicado pelo streaming ou simplesmente não se quis dar ao trabalho, a gente fez um resumão de tudo o que você precisa saber:

 

Pior: Tapete vermelho chaaato

Antes mesmo da premiação começar eu já estava bem aborrecida. Tivemos 2h30 de vários nadas na cobertura do tapete vermelho. Ninguém tão bem vestido, ninguém tão mal vestido pra dar uma sacudida. Aliás, até pulei da cobertura do E! pra TNT pra ver se eles entrevistavam gente mais interessante, mas não rolou. E aquelas entrevistas sobre Time’s Up? Sumiram…

Resumão Oscar 2018: tapete vermelho

 

Pior: Jimmy Kimmel de novo!

Nada define tão bem uma premiação do Oscar como um monótono monólogo de abertura que deveria ser engraçado. Aliás, Jimmy Kimmel teve pouquíssimos momentos decentes ao longo da noite, mas na maior parte do tempo eu só tive saudade daquele Oscar da Ellen, com selfie mais twittada, pizza pra galera e Oscars de Lego. Beleza, o lance do Jet ski foi engraçadinho, mas claramente a piada não engajou tanto quanto ele pensou e o apresentador insistiu de novo em interromper o programa de quem não liga pro Oscar. Pensa, se aquela galera toda estava no cinema naquela hora, sabendo que tinha transmissão do Oscar, isso não te diz alguma coisa? Deixa o pessoal assistir o filme em paz!

Resumão Oscar 2018: Jimmy Kimmel
 

 

Melhor: Prêmios equilibrados

O fato de não ter um grande vencedor na noite, apesar das 13 indicações de A Forma da Água pode deixar a premiação um pouco insossa, mas desta vez não poderia ser diferente. Quando eu estava correndo atrás dos filmes percebi que não havia um grande destaque ou unanimidade. Apesar da minha predileção por Três anúncios para um crime, não foi injusto ver o filme perder pra Corra! em roteiro ou para A Forma da Água na categoria principal. Aliás, o máximo que um filme ganhou ontem foram quatro Oscars, justamente para a obra de Guillermo del Toro.

Resumão Oscar 2018 Melhor Filme

 

Melhor: Aprendendo com os erros

Depois do fiasco da troca de envelopes do ano passado, a organização do Oscar aprendeu a lição e deixou bem claro no lado exterior do envelope qual a categoria pertencia o vencedor lá dentro. Dava até pra ver na TV qual categoria estava sendo apresentada. Bem mais transparente. As piadinhas sobre o fiasco até foram ok, mas nenhuma melhor do que aquela conferida marota que o del Toro deu quando ganhou na categoria de Melhor Filme.

Resumão Oscar 2018: Guillermo del Toro

 

Pior: Grandes orçamentos para continuações

Em uma premiação com a categoria de roteiro original muito mais disputada que a de adaptado, a gente quase consegue acreditar que o cinema está vindo com ideias frescas e saindo daquele círculo vicioso de remake, reboot e continuação. Mas foi só chegar a categoria de Efeitos Visuais pra gente levar aquele chacoalhão de realidade: todos os indicados são alguma continuação. Ou seja, por mais que as premiações não considerem estes filmes em categorias principais, as produções de orçamentos astronômicos continuam indo pra preguiça criativa de trabalhar em algo que já fez sucesso antes. Pelo menos o prêmio foi pra Blade Runner 2049, que é realmente um excelente filme, mesmo sendo continuação.

Blade Runner 2049

 

Melhor: Ziraldo leva um Oscar

Em sua 13ª indicação por Melhor Fotografia, Roger Deakins finalmente ganhou um Oscar pelo seu excelente trabalho em Blade Runner 2049. Mas com quase 70 anos, a gente corria o risco de que ele não fosse reconhecido em vida pelo seu trabalho, ou daqui a pouco ganhasse um daqueles Oscars honorários que parecem mais um prêmio de consolação do que um verdadeiro reconhecimento (Agnés Varda, essa é pra você). E olha que no currículo dele tem filmes como Um sonho de liberdadeFargo007 – Operação Skyfall.

Resumão Oscar 2018: Roger Deakins

 

Pior: Segmento de filmes de guerra

Uma das coisas que eu não entendi aqui foi aquele segmento sobre filmes de guerra para “honrar aqueles que lutam pela liberdade”. É sério isso? Em um país que acumula atentados com armas em escolas, está fazendo uma dança perigosa com a Coreia do Norte e já causou inúmeras mortes em países que não têm nada a ver com eles, vocês realmente acham que é o momento de enaltecer a guerra? Um dos documentários indicados (e não premiado) era justamente sobre os terrores da guerra da Síria e vocês acham super legal falar em guerra? É bem aquela hora em que a gente se lembra que eles não estão ligando pros mais de 200 países assistindo a premiação, Oscar ainda é território dos Estados Unidos.

Andrew Garfield até o último homem

 

Melhor: O discurso da Frances McDormand

Em meio àquele monte de discurso que não interessa a ninguém, a não ser a pessoa premiada e as pessoas citadas, o da Frances McDormand conseguiu dar um pequeno arrepio. Ao ser premiada como Melhor Atriz, ela colocou sua estatueta no chão e pediu que todas as mulheres indicadas se levantassem para compartilhar o prêmio com ela e mandou que os homens presentes ouvissem de verdade o que todas estas mulheres têm a dizer. Isso é sororidade, isso são mulheres apoiando mulheres de verdade. Esqueçam aquela imagem de rixas Bette Davis x Joan Crawford, Angelina Jolie x Jennifer Aniston. Mulheres sabem ser unidades e leais sim!

Resumão Oscar 2018: Frances McDormand

 

Pior: Time’s not so up

Depois das inúmeras denúncias de assédio sexual nos últimos meses, um Globo de Ouro e um Bafta com mulheres usando preto e um SAG dominado por mulheres, o Oscar perdeu a chance de projetar ainda mais o movimento pelo respeito e igualdade com as mulheres ao dar um verdadeiro balde de água fria no tema. Quase ninguém falou mais sobre o assunto no tapete vermelho e poucos foram os momentos em que o assunto voltou à tona durante a premiação – piadinhas com o Harvey Weinstein só parecem relativizar o assunto e aquele lance da Sandra Bullock em diminuir luzes pra parecer mais jovem foi um baita desserviço. O próprio “momento” da cerimônia pra falar de Time’s Up, com as atrizes Ashley Judd, Salma Heyek e Annabella Sciorra apresentou um vídeo que falou  sobre diversidade de forma geral do que o problema pontual dos assédios e da falta de reconhecimento às mulheres. Jogaram tudo no mesmo balaio, como se a indústria tivesse apenas um problema para resolver, enquanto assédio, desigualdade de salários e oportunidades e falta de representatividade são três coisas separadas que devem ser tratadas com a devida atenção CADA UMA. Aliás, não adianta encher o palco de apresentadoras mulheres e continuar se recusando a reconhecê-las pelos seus trabalhos em direção, roteiro, fotografia e direção de documentário, por exemplo. Parece que aquele momento, com aquelas atrizes, foi mais pra passar a régua no assunto do que para aprofundar o debate. Decepcionante.

Resumão Oscar 2018: Time's up

Imagens: © 2018 Getty Images, Christopher Polk / © 2018 Getty Images, Kevin Winter / © 2017 Alcon Entertainment, LLC. / Mark Rogers photo – © Cross Creek Pictures Pty Ltd / © 2018 Getty Images, Mark Ralston

 

Veja também: Maiores injustiças do Oscar
 


 

Compartilhe: